25 dicas de aprendizagem remota para engajar os estudantes

Tempo de leitura: 6 minutes

Loading

À medida que o ensino e a aprendizagem a distância se tornam mais comuns – o padrão em muitos lugares para os próximos seis meses – acho útil oferecer algumas dicas de educação à distância para engajar os estudantes.
Tal como acontece com todo o conteúdo, o quão útil e relevante qualquer um deles depende do seu contexto – experiência, nível de escolaridade, necessidade, prioridades e pontos fortes como professor, etc. Alguns são possivelmente muito gerais para ajudar, mas esperançosamente, das 25 dicas de educação a distância, uma ou duas podem se manter e tornar seu planejamento um pouco mais fácil e mais envolvente para os estudantes.

1. Comece com os estudantes
Considere suas vidas. Seu dia. Seu bem-estar. “Você também pode argumentar que esse não é o seu trabalho – e certamente é verdade que, considerando o bem-estar de cada aluno, sua responsabilidade é uma maneira rápida de ver alguns dos  sinais de alerta do esgotamento do professor . Você também deve saber que a maioria de seus estudantes está bem e os que não estão são quase impossíveis de ajudar, o que às vezes torna isso difícil. Mas quando a oportunidade se apresentar, verifique com seus estudantes. Se você precisa avaliar algo, avalie seu bem-estar. Rastreie  esses  dados. Atenda a  essas  necessidades. A ideia aqui é não se distrair porque você está em casa e eles também e que tudo está ‘diferente’. Em vez disso, comece com o aluno e sua realidade e necessidades e as novas e urgentes oportunidades à sua frente.

2. Simplifique

Simplifique o que você ensina, como ensina e como os estudantes mostrarão o que aprenderam. Priorizar habilidades e conceitos de seu currículo é mais necessário agora do que nunca.

3. Trabalhe retroativamente a partir do contexto do ensino remoto
Ensinar on-line ‘ao vivo’ síncrono para um grupo de crianças é muito diferente de fazer o mesmo pessoalmente – e nenhum dos dois é fácil.
Quando você planeja retroativamente a partir do contexto e das características de ensino e aprendizagem remotos – onde as distrações são incontroláveis, os estudantes não estão com os amigos, mas sim com a família – a aula ou atividade tem uma chance melhor de funcionar. Pense em atividades de aprendizagem com curta duração, objetivos claros e transições intencionais – tudo isso enquanto planeja e precisa do envolvimento e autonomia do aluno.
Na verdade, isso não é tão diferente de ‘bom ensino’ pessoalmente quanto parece.

4. Reúna-se por períodos mais curtos com mais frequência
Isso pode não ser possível. Se você só pode se encontrar uma vez por semana e pronto, então é uma vez por semana. Mas, sempre que possível, “analise” o aprendizado – três vezes por semana por 20 minutos ou duas vezes por 30 e uma vez por hora. A eficácia disso depende do que você ensina e da idade dos estudantes para os quais está ensinando.

5. Seja o ‘aluno líder’ tanto quanto você é o ‘professor’
Dito de outra forma, modele o ‘cuidado’ com a aprendizagem e o papel que ele desempenha no bem-estar e no crescimento. Mostre a eles o que significa ser curioso e ativo neste novo ambiente de aprendizagem.

6. Use a iluminação e o som a seu favor
Áudio de qualidade, iluminação forte, fundos com zoom, música cativante para as transições entre as atividades – o que quer que você precise fazer para obter e manter a atenção, use as ferramentas de tecnologia à sua disposição para que isso aconteça.

7. Use jogos e música
Quase chamei este de ‘pausa’, mas dependendo da sua programação, um ‘intervalo’ pode ser menos útil do que simplesmente fazer a transição ou formar uma equipe, etc. Dito isso, mantenha recursos como Kahoot, coolmath.com ou até mesmo vídeos de outros portais, jogar jogos para envolver os estudantes na educação à distância durante uma parte das aulas ou atividade. A internet está cheia de jogos e música. Use-os intencionalmente. Aqui estão alguns videogames para ensinar e música clássica de hip-hop que você pode usar para começar.

8. Use ferramentas diferentes para coisas diferentes – geralmente
Embora muitas plataformas de streaming de vídeo e sistemas de gerenciamento de aprendizagem tenham um conjunto robusto de ferramentas, comece com o que você sabe que também funciona com os estudantes e depois trabalhe a partir daí. Mensagens privadas no Zoom e colaboração de documentos com o Google Drive durante a avaliação – enquanto os alunos usam portfólios digitais em uma plataforma separada – essa é a sua realidade para a educação a distância em 2021.

9 . Pensando de forma diferente sobre ‘gerenciamento de sala de aula
Isso precisa de mais explicações, eu sei. Mas você não deve ‘gerenciar’ os estudantes on-line da mesma forma que você faz pessoalmente. O comportamento é diferente e lidar com esse comportamento – o que você reforça, o que recompensa e o que você ignora – também será diferente. Além disso, você tem que ser extremamente cuidadoso sobre como abordar esses comportamentos.

10. Tente garantir a privacidade de cada aluno
Outra dica de ensino a distância ‘mais fácil falar do que fazer’. Mas as leis de privacidade sozinhas tornam o aprendizado remoto um labirinto de políticas, leis e possíveis armadilhas. Quem vê o quê – o que você vê em suas casas e eles veem uns nos outros – é muita coisa para classificar.

11. Design para participação
Isso nem sempre é possível, mas quando possível, crie aulas – ou atividades dentro das aulas – que não apenas encorajem o ‘engajamento’ e a participação do aluno, mas que não funcionem sem engajamento e participação.

12. Teste tudo, planeje com antecedência e presuma que tudo vai quebrar
Faça o possível para presumir que a conexão de alguém (talvez a sua) vai cair em algum momento. Suponha que o link que você compartilhou estará quebrado e que a mensagem privada que você enviar será vista por todos – e assim por diante. Tudo bem. Se você tem um plano com antecedência, pode mitigar a ‘perda’ de tempo e aprendizado.

13. Capacite os estudantes: enfatize a autonomia e o envolvimento
As estratégias mais fáceis aqui são as vozes dos estudantes e a escolha do que e como eles aprendem e demonstram o aprendizado. Isso se aplica a aulas que você criou para os alunos fazerem juntos ou separados. A aprendizagem assíncrona, auto dirigida é ‘genial’ – ou seja, a aprendizagem que os alunos fazem por conta própria porque querem – é outra maneira de capacitar os alunos como uma pitada de educação à distância.

14. Pense antes, durante e depois da aprendizagem
É na busca de emponderar os estudantes, incentive-os a ser o “protagonista” da sua aprendizagem e auto dirigi-la. Uma estratégia aqui é: antes, durante e depois. Isso o ajudará a pensar cuidadosamente sobre o que você deseja que os estudantes façam – e sejam capazes de fazer – antes das sessões online, durante as sessões online e depois das sessões online.

15. Use a plataforma certa para a experiência certa de aprendizagem
Este é simples, mas não use o Google Drive para compartilhar vídeo e não use o Zoom para manter conversas contínuas com os estudantes e não use o YouTube para hospedar todos os portfólios dos alunos, etc. Use a ferramenta certa para o propósito certo.

16. Conheça os recursos e funções das plataformas por dentro e por fora
Quando você encontrar uma ferramenta que realmente torna sua vida mais fácil enquanto melhora a experiência de aprendizagem dos estudantes, aprenda como usá-la de forma eficaz. Você não precisa necessariamente usar todos os recursos do Skype ou FlipGrid para obter o máximo dele. O objetivo é conhecer a plataforma e, em seguida, usar seletivamente os recursos que funcionam para você e seu aluno.

17. Personalize objetivos de aprendizagem ou abordagens
A aprendizagem personalizada é sempre uma boa ideia, mas na educação à distância, pode ser ainda mais importante do que em uma sala de aula padrão. Uma estratégia básica aqui é criar metas de aprendizagem em objetivos de aprendizagem.
Por exemplo:
1. Objetivo de aprendizagem: os estudantes serão capazes de definir aproximadamente uma metáfora
2. Objetivo de aprendizagem: os estudantes serão capazes de definir e identificar duas metáforas óbvias em um trecho
3. Objetivo de aprendizagem: os estudantes definirão e identificarão uma metáfora “mais difícil”
4. Objetivo de aprendizagem: os estudantes definirão, identificarão e analisarão o efeito de uma metáfora óbvia.

18. Conecte-se individualmente por meio de mensagens
Isso ajuda a construir relacionamentos com os estudantes e, ao mesmo tempo, melhora a credibilidade do aprendizado online – ajudando-os a ver que não estão apenas cumprindo suas obrigações acadêmicas, mas sim se conectando com pessoas que se preocupam com o conteúdo desenvolvido para (espero) tornar suas vidas melhores.

19. Seja seletivo no que você faz juntos
De modo geral, a definição de aprendizagem síncrona é aprender a mesma coisa ao mesmo tempo. Em termos gerais, limite a sua aula durante o ensino remoto (esta é uma estratégia comum de ensino síncrono) e use alternativas para sua aula.

20. Divida a turma em salas menores com antecedência
Entre outros benefícios, a criação de salas menores antes mesmo do início das aulas força você a ter motivos para essas salas menores – ou seja, fornece uma espécie de estrutura para agrupamento, colaboração, instrução em pequenos grupos e muito mais. Você pode ler mais sobre eles em O que são salas de descanso? Uma definição para professores.

21. Aproveite o início e o fim de cada sessão de ensino remota
Considere um quebra-gelo no início da aula – e uma diversão em equipe.

22. Use verificações rápidas e informais para compreensão
Aqui estão algumas maneiras fáceis de verificar a compreensão . A ideia é realizar consistentemente verificações simples para a compreensão – de preferência em torno dos objetivos da lição ou ideias relacionadas.

23. Seja intencional com as transições
As transições entre as atividades são cruciais para manter o ímpeto e o envolvimento dos estudantes. Eles também são necessários para reduzir o tempo perdido.

24. Use um cronômetro
Você pode se surpreender. E não torne isso complicado – use um aplicativo em seu telefone para cronometrar atividades individuais ou o tempo de execução no Zoom, Skype, Google Hangouts, etc.

25. Considere estratégias de trabalho em grupo
Para começar, considere as estratégias de agrupamento que você usou com sucesso em sua sala de aula e imagine-as – e experimente com elas – para ver como elas se traduzem em ensino e aprendizagem remotos.

Autor: Terry Heick
Veja o artigo na integra: https://www.teachthought.com/technology/remote-teaching-tips-for-student-engagement/

Fernando Giannini

Pesquisador de tecnologia aplicada à educação, arquiteto de objetos virtuais de aprendizagem, fissurado em livros de grandes educadores e viciado em games de todos os tipos. Conhecimentos aprimorados em cursos de grandes empresas de tecnologia, principalmente no Google Business Educational Center e Microsoft. Sócio-proprietário da Streamer, empresa que alia tecnologia e educação. Experiência de 18 anos produzindo e criando objetos de aprendizagem, cursos a distância, design educacional, interfaces para sistemas de aprendizagem. Gestor de equipe para projetos educacionais, no Ensino Básico, Médio e Ensino Superior. Nesse período de trabalho gerenciou equipes e desenvolveu as habilidades de liderança e gestão. Acredita na integração e aplicação prática dos conhecimentos para a realização de projetos inovadores, sólidos e sustentáveis a longo prazo. Um dos grandes sonhos realizados foi o lançamento do curso gratuito Mande Bem no ENEM que atingiu mais de 500 mil estudantes em todo o Brasil contribuindo para a Educação Brasileira.

Participe da nossa comunidade no Whatsapp sobre Educação e Tecnologia

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

As 5 melhores ferramentas de IA para professores

A inteligência artificial está se tornando rapidamente parte integrante de praticamente tudo o que fazemos, e a educação não é exceção. Ela pode realmente ser o animal de estimação dos professores, aumentando a interatividade no aprendizado e "reduzindo a carga de...

Escrita à Mão Aumenta as Conexões Cerebrais

A Escrita à Mão Aumenta as Conexões Cerebrais? Como a escrita tradicional à mão está sendo progressivamente substituída por dispositivos digitais? É essencial investigar as implicações para o cérebro humano. A atividade elétrica cerebral foi registrada em 36...

IA na Educação

O salto para uma nova era de inteligência artificial de máquina traz riscos e desafios, mas também muitas promessas No romance de ficção científica de Neal Stephenson, The Diamond Age (A Era do Diamante), de 1995, os leitores conhecem Nell, uma jovem que recebe um...

As 10 melhores ferramentas de IA para estudantes

A Inteligência Artificial (IA) tem se tornado cada vez mais predominante em vários setores, e a educação não é exceção. Com o rápido avanço da tecnologia, graças a empresas como a Open AI, as ferramentas de IA surgiram como recursos valiosos para os estudantes que...

Seis perguntas que ditarão o futuro da IA generativa

A IA generativa tomou o mundo de assalto em 2023. Seu futuro - e o nosso - será moldado pelo que fizermos a seguir. Foi uma pessoa desconhecida que me mostrou pela primeira vez o quão grande seria a mudança de vibração deste ano. Enquanto esperávamos juntas por um...

IA Cientista: Automatizando Descobertas Científicas

O assistente de laboratório totalmente automatizado projetou e executou um experimento pela primeira vez. IA Cientista: Automatizando Descobertas Científicas, pela primeira vez, um sistema inteligente não orgânico projetou, planejou e executou um experimento químico,...

Tag Cloud

Posts Relacionados

IA na Educação

IA na Educação

O salto para uma nova era de inteligência artificial de máquina traz riscos e desafios, mas também muitas promessas No...

Receba a nossa newsletter

Fique por dentro e seja avisado dos novos conteúdos.

Publicações mais recentes