Pesquisa mostra que redes sociais atrapalham mais a EAD que problemas de conexão

Tempo de leitura: 3 minutes

Loading

Entre as atividades realizadas de maneira remota, o estudo deveria ser uma das mais adaptadas à modalidade “à distância”, mas, mesmo diante dos avanços tecnológicos e diversas plataformas, novos desafios e necessidades de adequação foram tomando conta cada vez mais do espaço do debate, o que deixa a qualidade do ensino em segundo plano. Já com um ano de pandemia, as salas de aula seguem vazias e as perspectivas com o ensino seguem apegadas à modelos antigos que não cabem na realidade atual.

Ao invés de incentivo à migração para a modalidade EAD, diante da pandemia, os poderes que decidem sobre a educação nos níveis Federal, Estadual e Municipal tem feito a manutenção improvisada do estudo, sempre com planos para um possível retorno às aulas presenciais, sem uma entrega profunda à uma adaptação frente ao distanciamento necessário.

Membro do Conselho Científico da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), Luciano Sathler explicou que houve uma aceleração no de migração do presencial para o virtual por conta da pandemia, mas, com a emergência da situação, o EAD não foi disseminado de forma correta, sem a preparação tanto dos estudantes quanto dos professores para o ensino.

No embate entre “retorno às aulas” e “entrega ao EAD”, os poderes se chocam com as diferentes realidades sociais. Não dá para mandar todas as crianças para casa, pois muitas não têm a plataforma tecnológica necessária (computadores, smartphones) para acesso do conteúdo, quando há na casa uma conexão de internet.

“Em outras palavras, o design tradicional das relações de ensino-aprendizagem presenciais e a abordagem desumanizante e tecnicista da maioria dos modelos de EAD hoje praticados não nos serve mais nesta época em que imaginação, cuidado e consciência são necessários para resolver os grandes problemas do mundo. Não há melhor momento de mudar isso do que na resposta ainda emergente à pandemia atual”, ressalta Luciano.

Com a nítida ausência do ritmo presencial, professores tentam compensar essa “falta” com uma quantidade maior de trabalhos e provas no virtual.

Tendo em vista que, estudos recentes de 2021 apontaram que crianças apresentam carga viral de coronavírus semelhante à dos adultos, a discussão não se trata sobre “quando as aulas voltarão na pandemia?” e sim “como iremos adaptar as aulas à pandemia?”.

Entregues à Comissão de Educação da Câmara, os resultados do estudo coordenado pelo Laboratório de Epidemiologia da Universidade Federal do Espírito Santo, apontam que, segundo a coordenadora Ethel Maciel, o lockdown com escolas fechadas é o meio mais eficiente de conter o avanço da pandemia, afirmou a cientista ao portal UOL.

Dados atualizados em março de 2021 mostram que, após o início da pandemia, o número de matrículas para cursos online subiu em mais de 400% ao redor do mundo, chegando a 95% no Brasil, de acordo com o estudo feito pela Udemy.

Informações Locais

Entre seus leitores, o MS Notícias buscou medir como a população de Campo Grande tem lidado com a modalidade EAD na Capital. Apurada a opinião de mais de 200 pessoas, as respostas foram:

-Quanto à pontualidade para início das aulas

R: 69% disse que sempre se atrasa, enquanto 31% apontou “Jamais” como resposta.

– Sobre a dificuldade de concentração

R: 79% (entre 207 entrevistados) relataram ter muita dificuldade para se concentrar. Apenas 21% sinalizou ter “nenhuma dificuldade”.

– Quando questionados sobre problemas de conexão com a internet durante a aula

R: 79% disse enfrentar esses problemas com frequência e 21% alegou nunca sofrer desse mal.

– Quando questionados sobre se acessam as redes sociais durante a aula

R: 86% (entre 186 pessoas) responderam “óbvio que sim”, enquanto apenas 14% disse que “jamais” acessam durante a aula EAD.

– Dos entrevistados, 179 foram questionados sobre as dificuldades de ajudar as crianças com as aulas remotas

R: 60% disse que é muito difícil, enquanto 40% respondeu que nunca teve problema.

Diante dessas respostas, Artur Grinder ainda destacou que o: “ensino público estadual oferece apostilas mal elaboradas pelos professores”.

OUTROS PROBLEMAS

Claro que passar o dia inteiro mexendo no computador ou celular afeta, não só a saúde física, mas também mental. De acordo com o psicólogo José Geraldo Ferreira, tanto o trabalho quanto o estudo podem ser afetados pela nova rotina. Mesmo se não fosse a pandemia, a sociedade se enveredaria por esses caminhos, tendo em vista o avanço tecnológico. A pergunta não é se o EAD será o futuro da educação e sim, “quando a modalidade EAD será uma realidade acessível para toda a população?”.


Fonte: MS Noticias
Autor: Leo Ribeiro
Artigo Original: https://www.msnoticias.com.br/editorias/geral-ms-noticias/pesquisa-mostra-que-redes-socias-atrapalham-mais-o-ead-que-problemas/113365/

Fernando Giannini

Pesquisador de tecnologia aplicada à educação, arquiteto de objetos virtuais de aprendizagem, fissurado em livros de grandes educadores e viciado em games de todos os tipos. Conhecimentos aprimorados em cursos de grandes empresas de tecnologia, principalmente no Google Business Educational Center e Microsoft. Sócio-proprietário da Streamer, empresa que alia tecnologia e educação. Experiência de 18 anos produzindo e criando objetos de aprendizagem, cursos a distância, design educacional, interfaces para sistemas de aprendizagem. Gestor de equipe para projetos educacionais, no Ensino Básico, Médio e Ensino Superior. Nesse período de trabalho gerenciou equipes e desenvolveu as habilidades de liderança e gestão. Acredita na integração e aplicação prática dos conhecimentos para a realização de projetos inovadores, sólidos e sustentáveis a longo prazo. Um dos grandes sonhos realizados foi o lançamento do curso gratuito Mande Bem no ENEM que atingiu mais de 500 mil estudantes em todo o Brasil contribuindo para a Educação Brasileira.

Participe da nossa comunidade no Whatsapp sobre Educação e Tecnologia

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

As 5 melhores ferramentas de IA para professores

A inteligência artificial está se tornando rapidamente parte integrante de praticamente tudo o que fazemos, e a educação não é exceção. Ela pode realmente ser o animal de estimação dos professores, aumentando a interatividade no aprendizado e "reduzindo a carga de...

IA na Educação

O salto para uma nova era de inteligência artificial de máquina traz riscos e desafios, mas também muitas promessas No romance de ficção científica de Neal Stephenson, The Diamond Age (A Era do Diamante), de 1995, os leitores conhecem Nell, uma jovem que recebe um...

Seis perguntas que ditarão o futuro da IA generativa

A IA generativa tomou o mundo de assalto em 2023. Seu futuro - e o nosso - será moldado pelo que fizermos a seguir. Foi uma pessoa desconhecida que me mostrou pela primeira vez o quão grande seria a mudança de vibração deste ano. Enquanto esperávamos juntas por um...

IA e o crescimento da mediocridade

Como a maioria das pessoas, gosto de me considerar um indivíduo, mas há uma semana entrei em um estacionamento e encontrei cinco carros idênticos ao meu em termos de marca, modelo, ano e cor. Fiquei feliz por ter me lembrado do número da minha placa e que meu chaveiro...

As imagens parecem fotos premiadas. São falsificações de IA.

Imagens geradas artificialmente de eventos noticiosos do mundo real proliferam em sites de imagens, confundindo a verdade e ficção Uma jovem israelense, ferida, agarrada aos braços de um soldado angustiado. Um menino e uma menina ucranianos, de mãos dadas, sozinhos...

Tag Cloud

Posts Relacionados

IA na Educação

IA na Educação

O salto para uma nova era de inteligência artificial de máquina traz riscos e desafios, mas também muitas promessas No...

Receba a nossa newsletter

Fique por dentro e seja avisado dos novos conteúdos.

Publicações mais recentes